terça-feira, dezembro 6, 2022

Alemanha entra em protesto contra decisão da FIFA  

Jogos
Luiz Vinicius
Luiz Vinicius
Natural de Magé (RJ), Luiz Costa é empreendedor, criador de conteúdo sobre apostas e Apostador Profissional a mais de 4 anos. Foi finalista do programa MASTERBET na rede Bandeirantes e é redator em alguns sites de apostas Esportivas.

O órgão dirigente do futebol decidiu bloquear um plano de sete capitães de times europeus de usar braçadeiras promovendo os direitos dos homossexuais, ameaçando-os com cartões amarelos, mas a atitude acabou não sendo suficiente para calar os atletas alemães. 

Atitude que falou muito 

Enquanto os fotógrafos se alinhavam no Khalifa International Stadium para se preparar para o ritual tradicional de tirar uma foto do time, os jogadores da Alemanha fizeram da Copa do Mundo o momento de se posicionarem a favor de direitos. 

Levando a mão direita à boca e mantendo-a ali até a última foto ser tirada, a Alemanha se envolveu em um ato silencioso de rebelião contra a FIFA. Pois a entidade havia impedido seu capitão de usar uma braçadeira multicolorida na partida como parte de uma campanha de justiça social. 

Reação 

A ação ocorreu dois dias depois que a Fifa impediu não apenas a Alemanha, mas também várias outras seleções europeias de usar braçadeiras que promoviam os direitos dos homossexuais, ameaçando as seleções com medidas disciplinares. Essa decisão que enfureceu as equipes e levou a acusações contra o organizador do torneio, mas a decisão acabou sendo seguida. 

A campanha teve como objetivo conscientizar grupos marginalizados no país anfitrião, o Catar, que criminaliza a conduta homossexual. As seleções notificaram a Fifa sobre seus planos em setembro. Mas só receberam uma resposta horas antes da Inglaterra, a primeira entre as seleções a se posicionar, fazer sua primeira partida na segunda-feira.  

As seleções acabariam multadas por violar os rígidos regulamentos de uniformes da FIFA, era o esperado. Mas, em vez disso, acabaram informadas de que seus capitães receberiam um cartão amarelo. 

Não é negociável 

“Não se tratava de fazer uma declaração política, os direitos humanos não são negociáveis.” Disse a seleção da Alemanha em um comunicado publicado em sua conta oficial no Twitter momentos após o início da derrota por 2 x 1. 

“Isso deveria ser dado como certo, mas ainda não é o caso. Por isso esta mensagem é tão importante para nós. Negar-nos a braçadeira é o mesmo que nos negar a voz.” Completou. 

A Alemanha tem estado entre as seleções mais ativas sobre as questões de direitos humanos no Catar. Banners criticando o país e a FIFA tem sido vistos regularmente nos jogos da Bundesliga nesta temporada. Os políticos do país também irritaram o Catar com críticas diretas nos dias que antecederam o início da Copa do Mundo. Apesar das ameaças e punições que ainda podem surgir, parece que atitudes como essa ainda vão ocorrer muitas vezes nessa Copa.

- Advertisement -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisement -
Últimas Noticias

Quatro pilotos brigam pelo título na última etapa da Stock Car

O último fim de semana de Stock Car em 2022 começa nesta sexta-feira (9) cercado de muita emoção. Afinal,...
- Advertisement -

Mais notícias como essa

- Advertisement -