Entre com suas credênciais

Brasileirão série A


Brasileirão série B


Ross Brawn cogita fim das punições para 2018

31/08/2017 - 15:40 - Automobilismo

por Flávio Figueiredo

Campeão mundial com sua própria equipe em 2009, a Brawn GP, Ross Brawn agora é diretor esportivo da Fórmula 1. O inglês tem sido voz ativa nas mudanças que a Liberty Media pretende implementar aos poucos na categoria, e, nesta quinta-feira (31), criticou o excesso de punições aos pilotos. Na Bélgica, por exemplo, Stoffel Vandoorne foi penalizado em nada menos do que 65 posições no grid de largada, fruto de diversas trocas na unidade de potência da McLaren-Honda.

"Odeio o fato de que estamos prejudicando as corridas por motivos técnicos. Sei que você pode dizer que se um carro quebra em uma corrida, é uma questão técnica e você afetou a corrida, mas acho que os fãs entendem isso. Para um fã visceral, quando ele vê seu herói no fim do grid porque ele teve de trocar o motor, não é um grande esporte. Temos de encontrar uma solução para isso, seja buscar uma forma diferente de punição ou então tirar por completo a punição e apenas lidar com o problema que se buscava resolver" disse Brawn em coletiva de imprensa na Itália.

O dirigente mostrou que está imbuído em ver as punições extintas assim que possível. Porém, há de se considerar um fator: as novas regras de motor serão introduzidas só a partir de 2021. A FIA adotou as punições para tentar reduzir os custos na categoria, limitando o uso de propulsores no ano. Em 2017, cada piloto tem disponíveis apenas quatro unidades de potência para toda a temporada, considerando que haverá punição caso uma quinta opção se faça necessária.

"Talvez possamos implementar essa solução antes disso porque é um aspecto tremendamente impopular na F1 neste momento. Uma das sugestões foi a perda de pontos para a equipe. Poderia haver outras punições mais discretas. Estávamos acostumados com o sistema de fichas de desenvolvimento no motor, e isso não era ruim. Ficou um pouco complicado, mas você poderia remover os tokens por um instante. As punições do grid são muito impopulares e devemos buscar uma solução melhor" completou.

Outro ponto tocado pelo britânico durante a coletiva é sobre o fim do DRS. Brawn acredita que o sistema será extinto a partir do momento em que as equipes consigam desenvolver carros capazes de disputar posições próximos uns dos outros. Hoje, o DSR compensa artificialmente esse déficit, possibilitando a ultrapassagem para quem estiver um segundo atrás do adversário, isso, em pontos específicos da pista.

"Atualmente, um carro de F1 é otimizado de forma a correr sozinho. As equipes, quando entram no túnel de vento e criam seus programas no CFD para desenvolver o carro, tudo é feito de forma isolada. Então, quando você coloca outro carro por perto, não dá certo. O que estamos trabalhando é sobre gerar a capacidade de buscar desenvolver carros que corram próximos dos outros, e quais tipos de projeto precisamos para permitir que isso aconteça. Quando fizermos isso, que é nossa ambição para 2021, então vamos ter carros que não precisam do DRS" finalizou.

 

Leia Mais:

"Hamilton tem mais chances", diz Lauda sobre a disputa na Mercedes

Renault fecha as portas para Alonso para temporada 2018 da F1

 

tabela

Campeonato Brasileiro Série A

Classificação Pontos
1 TIM 2 36
1 TIM 2 36
1 TIM 2 36
1 TIM 2 36

VEJA A TABELA COMPLETA

prognósticos

1 EIB x BAR

ver dica

Confiança

80%
2 MAD x BET

ver dica

Confiança

85%
3 LEV x ATL

ver dica

Confiança

85%

VEJA MAIS PROGNÓSTICOS

Bolão

RANKING

1 André ***

0,00

2 Renato ***

0,00

3 Alessandro ***

0,00

4 Ale ***

0,00

5 Yudi ***

0,00

VEJA O RAKNING COMPLETO


Mais Esportes